Todas as pessoas acreditam que nos dias de hoje fazer um plano de saúde é a saída para ser bem atendido, ter bons médicos e se precisar ficar em boas acomodações no hospital em caso de internação ou cirurgia, mas infelizmente esta realidade está longe ainda de chegar em Caçador.

Não me refiro apenas a um plano A, B ou C, mas sim a todos, o único que você ficará bem acomodado é o “Plano Particular em Dinheiro”, este sim você ficará até que bem acomodado, mas já garanto, que o valor pode ser de uma viagem ao exterior dependendo de quanto tempo ficará internado.

Falo isso por experiência própria, afinal, enfrentei alguns dias, ou melhor, noites no Hospital Maicé junto com a minha avó que necessitou de duas cirurgias após cair em casa e fraturar o fêmur esquerdo. E não é exagero meu não, todas as pessoas que ficaram no quarto junto com ela as três vezes que ficou internada também, só ouvi reclamações.

O que os planos não entendem é que as pessoas pagam caro, muitas as vezes deixam de pagar outras contas para manter o plano de saúde em dia, afinal, você nunca sabe quando irá precisar. E caixinhas de reclamações que tem nos corredores do Maicé, isso não serve para nada, pois garanto que as reclamações são sempre as mesmas e o que fazem para melhorar?

A história:

Pois bem, resumidamente irei contar o que aconteceu e como foi minha experiência “maravilhosa”. A cerca de dois meses a minha avó fraturou o fêmur em uma queda, fomos para o hospital, de entrada é entregue o cartão do plano de saúde.

Após entrar na emergência e fazer a ficha dela o atendimento foi muito bom, exceto do médico plantonista no PS que não veio dizer como e o que seria feito após o Raio X. Porém, fomos bem informados por uma enfermeira que disse que o caso seria passado ao Dr. José Roberto, o qual também trata da minha avó a mais de 20 anos.

Pois bem, ela subiu para o quarto, local horrível, todo deteriorado, com equipamentos velhos e cadeiras para o acompanhante ficar, até então, não havia ninguém no quarto, assim se passou a primeira noite e por sorte, pois tinha uma cama para eu ficar, ela foi operada e ficou até a metade da semana, chegando momento em que haviam três pacientes no quarto, e os acompanhantes tendo que dormir em cadeiras “super” confortáveis.

Após 30 dias da primeira cirurgia, ela teve que retornar ao hospital para fazer uma nova, pois a platina e os parafusos que o médico colocou não parou. Outro excelente trabalho feito pelo médico atendendo pelo plano, mas enfim.

Ela foi internada na segunda-feira, com a promessa de ser feita tal cirurgia, passou segunda, terça e quarta o Dr. José Roberto disse que precisaria de uma nova platina e que não tinha no Hospital, mas que quinta-feira cedo a cirurgia seria feita, pois bem, aconteceu que o médico foi preso na Operação Emergência e aí começou o rolo.

Neste segundo internamento o quarto era pouco melhor, mas muito pouco, mas as cadeiras confortáveis estavam no quarto e para ajudar mais uma vez o quarto lotado com três pacientes, sem espaço para todos e muito mais.

Ainda na quinta, após saber da notícia do médico, começamos a ir atrás para saber o que e como seria feito a cirurgia dela. Fomos à tarde no consultório do Dr. e a secretária dele disse que o Hospital deveria dar jeito de um novo profissional.

Fomos até o escritório da operadora do plano de saúde que também jogaram a responsabilidade no Hospital, então fomos até lá e conversamos com a direção do Maicé, os quais nos garantiram que o caso dela seria assumido por outro médico. Tomos ficamos aliviados.

Mas como alegria de pobre dura pouco, na sexta-feira recebemos a notícia de que o médico não atendia pelo plano dela e que não faria a cirurgia, ele ainda explicou atencioso que não seria o hospital que teria que achar outro médico para ela e sim o próprio plano, coisa que já sabíamos, mas que o plano não fez.

Pois bem, à tarde, nos reunimos com a família e fomos em peso para a Direção do Maicé, que primeiro tentou se recusar a nos atender, mas acabou atendendo após pressão. Quanto a isso, não podemos reclamar, o Sr. Giovane foi muito atencioso e junto com sua equipe resolveu nosso problema e já que o plano se recusou a achar outro médico, o Maicé pagaria a cirurgia dela para um do corpo clinico deles. Agradeço imensamente por esta questão!

Por fim, na sexta-feira ainda o médico marcou para segunda-feira cedo a cirurgia e mandou ela para casa. Já o terceiro internamento, o quarto era pouco melhor, porém o problema persistiu, novamente estava cheio de paciente.

As reclamações:

Quanto as reclamações, são sempre as mesmas, os planos de saúde não estão investidos nada no requisito acomodações, quartos velhos, mau pintados, ferros enferrujados nos banheiros, cadeiras velhas para acompanhantes, colhões das camas dos pacientes são tão velhos que a pessoa quase some na cama, desconforto total você ficar em um quarto seja de qual plano for.

Caso você queira pagar a diferença para ficar num quarto melhor, o paciente desembolsará cerca de R$ 200,00 por dia a mais além daquele que o plano já paga. Os quartos superlotados com pacientes misturados seja planos A, B ou C.

Um passarinho me contou que caso falte leitos pelo SUS, ou seja, no 3º Andar, o aval dos planos é positivo para colocar pacientes nos quartos particulares junto com quem tem plano de saúde.

Todos que passaram pelo quarto nas três internações da minha avó, as reclamações eram sempre as mesmas, que as pessoas pagam caro por um plano de saúde, mas que as acomodações são piores do que a ala do SUS no Hospital, apenas queremos saber, para onde vai todo esse dinheiro?

Pois bem, quanto você ficar na ala do SUS, garanto, lá tem poltronas reclináveis para acompanhantes e muitas camas são automáticas, tudo isso doado por pessoas e empresas da comunidade, pessoas que muitas vezes querem proporcionar uma estadia melhor aos pacientes do SUS, mas que quando precisam de seus planos de saúde pegam leitos sucateados, velhos e quartos lotados.

Cadeiras oferecidas pelos planos aos acompanhantes para passarem a noite nos quartos particulares

Muitos se enganam quando pensam que pagar um plano é sinônimo de melhor atendimento e melhores acomodações, pois eu garanto, que em Caçador quem paga plano pensado assim, deve fazer uma visita ao Hospital e pedir para conhecer a ala particular para ver que isso é apenas uma ilusão!

Agradecimento:

Gostaria de agradecer o corpo de enfermagem, pessoal da recepção e direção do Maicé pelo bom atendimento que recebemos de todos no tempo em que tivemos que passar por aí e dizer que são profissionais assim que conseguem mudar um pouco a imagem negativa que muitos tem do hospital em Caçador.