Por Edison Porto

Toda cidade tem seus encantos, curiosidades e atrativos para visitantes casuais, em viagens de negócio, a passeio, ou para estudos e pesquisas, inclusive de história. Há cidades intensamente buscadas por turistas que a visitam com o propósito de lazer, outras, menos procuradas e até mesmo não visitadas com o fim de turismo, e por isso não favorecidas com os benefícios de renda e desenvolvimento econômico social que o Turismo trás, obviamente falando daquele sustentável, que evita a degradação ambiental e até social, que o turismo desorganizado pode trazer.

Ainda não se pode dizer que o município de Caçador, no meio oeste catarinense, seja uma cidade turística, embora venha sendo visitada por turistas interessados em conhecer alguns dos seus atrativos, como o Museu do Contestado, eventos festivos, teatrais, exposições e caminhadas na natureza.

Mas esta é uma situação que pode mudar e se espera, mudará, com a atuação conjunta da administração municipal e a comunidade, envolvendo entidades, associações e empresas, de forma organizada. O ponta pé inicial foi  a formação do Conselho Municipal de Turismo, que tomou posse no dia 07 de fevereiro de 2019, noticiado em meu artigo explicativo publicado no mesmo dia.

O Comtur de Caçador vem se reunindo periodicamente, e conta com o apoio do SEBRAE, conforme contrato firmado pela Prefeitura, através do consultor Roni Rodrigues de Brito, experiente no desenvolvimento do turismo. Ele apresentou ao Comtur o PDITS – Planejamento de Desenvolvimento Integrado de Turismo Sustentável, uma metodologia adotada no país e que já está orientando os trabalhos do Conselho.

Mas um desenvolvimento desta envergadura só tem sucesso se houver o envolvimento da Comunidade, por isso, ontem foi realizado o I Fórum de Planejamento de Desenvolvimento Integrado do Turismo Sustentável em Caçador, para o qual todos foram convidados a participar com a possibilidade de o cidadão comum ser ouvido e contribuir para o tema Turismo.

Não é fácil obter o engajamento popular quando se trata de trabalho não remunerado, mas felizmente sempre há voluntários que se dedicam à causa pública. E neste caso, desenvolver o Turismo, é desenvolver um “negócio” que de certeza, gera renda e dividendos de várias formas na contribuição do desenvolvimento econômico-social, melhorando a qualidade de vida e bem-estar das pessoas.

Compareceram ao Auditório do SENAC, mais de trinta pessoas para participar deste primeiro Fórum. Entre elas o Sr. Vice-Prefeito, Alencar Mendes; o Sr. Secretário de Cultura, Esportes e Turismo, Enemir Corozzola; o Sr. Edegar Mazzotti, representando a Secretária de Agricultura, o vereador Ricardo de Moraes Barbosa, representando a Câmara de Vereadores; o Presidente do Comtur, Júlio Corrente, conselheiros e representantes de várias entidades, associações e empresas interessadas no desenvolvimento do Turismo em Caçador.

Após as palavras de boas-vindas, de apoio e incentivo da Sra. Andréa Machiavelli Pontes, Coordenadora Educacional da Faculdade SENAC, da Sra. Caren Fendt da Ampe  e da Sra. Sueli Bernardi, Gerente Regional do Sebrae, falaram também o Vice-prefeito Alencar e o Secretário Enemir Corozzola. E foram iniciados os trabalhos sobre a coordenação do consultor Roni Rodrigues com o apoio da Secretária do Comtur, Karla Velasquez.

Os participantes foram divididos em três grupos, para discutir e propor os itens que se considera como Pontos Fortes, Pontos Fracos, Ameaças e Oportunidades que se vê para o Turismo em Caçador, posteriormente o trabalho destes grupos que continuará em discussões pelo “whatsapp” e novas reuniões, se resumirá no que é chamado Análise FOFA (Forças, Oportunidades, Fraquezas e Ameaças).

Esta análise é muito utilizada por empresas no mundo todo, em estudos de viabilidade de negócios e elaboração de Planos de Negócios, conhecidos em inglês como “Business Plan”, ela mesma em inglês é conhecida como Análise de SWOT, cuja sigla vem das iniciais dos termos traduzidos para o português, ou seja:  Forças (Strengths), Fraquezas (Weaknesses), Oportunidades (Opportunities) e Ameaças (Threats). Esta ferramenta de análise de cenários surgiu nas décadas de 60/70 na Universidade de Stanford (EUA) e se espalhou pelo mundo.

Este autor, é membro do Conselho Municipal de Turismo de Caçador, representando a ACIJO – Associação Caçadorense de Imprensa Joair dos Santos Lima, e como tal, participou do Fórum e lá deixou o que espera para Caçador, nesta área, daqui dez anos:

Uma cidade alegre e de economia pujante, com um calendário de festas e eventos, seguros e bem organizados, atraindo turistas de tudo que é canto, inclusive do exterior.