Caso Vanderleia – Justiça decreta prisão preventiva do ex-namorado

A justiça decretou a prisão preventiva do ex-namorado e suspeito de ter matado a professora Vanderleia Birnfeld, ainda durante o final da tarde desta sexta-feira (27). José Carlos Gonçalves de Oliveira, 59 anos, segue preso em Brasília, Distrito Federal.
A informação da prisão preventiva do homem foi repassada pelo delegado responsável pelo caso Eduardo Mattos durante a tarde deste sábado (28). A professora foi brutalmente assassinada pelo ex-namorado no mesmo dia do desaparecimento.
O caso

José Carlos Gonçalves de Oliveira, 39 anos
O delegado Eduardo logo que recebeu a informação do desaparecimento de Vanderleia deu início às investigações que levaram ao suposto autor. Porém no decorrer das investigações a polícia começou a ter algumas surpresas, pois no dia 17, quase 24 horas após o desaparecimento da mulher, o carro dela foi localizado abandonado no estacionamento de um supermercado, que fica nas proximidades da casa da professora.

O delegado ainda disse que já tinha o mandado de prisão de José em mãos um dia após a professora ter desaparecido, graças a testemunhas terem visto uma mulher sendo agredida no estacionamento do mercado onde o carro dela foi achado. Ainda a polícia conseguiu provas de que o homem esteve em Caçador no dia 16 e que tentou alugar um carro.
Porém os policiais não conseguiram localizar José antes, pois o mesmo viajou de carro até Brasília, depois foi de avião até Maceió, Natal e Porto Alegre. Viajou 8600 km em 36 horas tentando despistar a polícia e sua intenção era chegar até a Europa.
Porém a Polícia Civil foi mais ágil e conseguiu prender o homem ainda em Brasília. No carro do suspeito a polícia localizou sangue e fitas, pois o delegado acredita que ao passar pela Polícia Militar Rodoviária, a professora tenha tentado reagir e foi quando José deferiu os primeiros golpes com um canivete contra a professora.
Carro de Vanderleia foi localizado um dia
após seu desaparecimento
Em seguida ele abandonou o corpo da mulher as margens de uma estrada do interior de Calmon. Ainda, além de muito machucara, Vanderleia estava com vários golpes de canivete e com pelo menos quatro tiros na cabeça.

Seu corpo só foi localizado nove dias após o assassinado e desaparecimento. Mesmo dia em que José foi preso em Brasília pelos policiais. Ela foi sepultada em Caçador e enterrada no final da tarde desta quarta-feira (26).

Vanderleia tinha 42 anos e lecionava na Escola Municipal Morada do Sol, tinha um filho de 22 anos e um neto pequeno. José segue preso em Brasília, mas deverá ser transferido para Caçador, onde será julgado pelo assassinato da professora Vanderleia. 

Leia ainda: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com palavrões, ofensa moral, xingamentos ou que possa denigrir a imagem de alguém ou do blog não serão aceitos.